Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Melhoramento Genético em Cavalos

O grande João Francisco Diniz Junqueira (1934) dizia que "O Melhoramento de qualquer raça deve ser pela seleção e não pelo cruzamento". Na verdade em parte esta frase é verdadeira, porém em tempos mais modernos onde as ferramentas da engenharia genética estão mais amplamente difundidas e os conhecimentos sobre transmissibilidades de caracteres mais desvendados, não faz muito sentido ignorá-los e partir simplesmente para a seleção massal.

O cruzamento dirigido e bem estudado faz muita diferença na rapidez e no sucesso de uma boa criação de cavalos melhorados. Além dos já tradicionais métodos de pontuação e análise visual dos animais, deve-se considerar muito bem a correlação de seus pedigrees. Não é nova a técnica, e muitos falam em consangüinidade controlada ou cruzamentos de parentes como benéficos ao melhoramento há décadas. Na verdade o que se está fazendo inconscientemente não é só um cruzamento de parentes, mas um retro-cruzamento com indivíduos parentais de maior destaque ou sucesso.

O melhoramento genético de plantas já é conduzido assim há séculos e para alguns parece incompreensível que alguns ainda apostem na loteria do "choque de sangue" para criar cavalos de primeira linha. Além deste, outro fator pouco estudado ou levado em consideração na hora de se planejar os cruzamentos é a herdabilidade ou heritabilidade dos caracteres envolvidos na seleção. Diversos artigos mostram que certos caracteres morfológicos ou de desempenho são mais facilmente expressados na progênie do que outros. Por exemplo: Altura de cernelha ou altura de garupa. Já outros são de difícil "transmissão" ou mensuração excetuando fatores ambientais. Ex: perímetro de canela e aprumos. Portanto é muito mais econômico investir em um garanhão que tenha boas características de alta herdabilidade do que em garanhões com problemas nessas partes e qualidades dificilmente transmissíveis.

 Nas conduções de seleções de cavalos coloridos, também abundante ainda a miscelânea de conceitos e teorias que se conta entre os criadores. A genética das cores, se não totalmente desvendada, já é bastante conhecida. Testes de homozigoze em cavalos pampa já são rotina entre grandes criadores e muitos são os artigos sobre as combinações gênicas relacionadas as diversas pelagens dos cavalos. Mesmo assim ainda vejo criadores afirmando que esta ou aquela égua alazã é mais propensa a dar esta ou aquela cor. Bom, a alazã é uma cor homozigota e que implica em não expressão de nenhuma outra, portanto fica inteiramente a cargo do garanhão e do acaso, imprimir qualquer pelagem diversa na cria. Além disso, falta planejamento na criação de cavalos pretos ou amarilhos que vão sendo cruzados quase ao acaso sem nenhuma preocupação em fazer um teste estatístico de suas progênies. Enfim, faltam planejamento e apoio técnico de um melhorador.

Fonte: Mangalarga Patriota

Adaptação: Escola do Cavalo

Conheça o Curso de Inseminação Artificial em Éguas e Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen em Garanhão

Melhoramento genético

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.