Cavalos mais fortes e resistentes

Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF

Ao se cruzarem espécies, o resultado são animais que favorecem a doma, facilitando o trabalho dos treinadores em pequenas propriedades e fazendas.

De temperamento mais dócil e de fácil doma do que os animais crioulos, além de suportarem mais peso, esses cavalos se destacam por serem mais largos do que altos, mesmo não sendo tão ágeis para os trabalhos de campo. Seu peso é maior do que o de uma das espécies que lhes deu origem.

São características herdadas do cruzamento entre machos da raça percheron e éguas crioulas. São mais resistentes e, por isso, seu poder de tração diminui o uso de máquinas e tratores nas lavouras, beneficiando, principalmente, os pequenos produtores rurais.

Um dado, no mínimo curioso, deu origem à necessidade de se criar cavalos mais fortes. Pedro Monteiro Lopes, diretor do Grupo Pitangueira, ao perceber que seus funcionários aumentavam de peso, sentiu que seriam necessários animais que suportassem maiores cargas. E assim, iniciou-se o processo de criação dessa nova espécie.

 Atualmente, existem 25 exemplares cruzados, os chamados “percheirolos”. O grande objetivo é dobrar esse número, nessa experiência que já acontece há quatro anos. Os animais cruzados herdaram a docilidade e a força dos percherons e a agilidade e resistência da raça crioula.

Essa iniciativa veio beneficiar os criadores. Eles já optavam por adquirir cavalos amansados, em decorrência de indenizações por acidentes. Por isso, acredita-se que esses animais, rústicos e fortes, venham a conquistar uma parcela do mercado.

O técnico Miguel Pessano destaca os cuidados com a alimentação e medidas fitossanitárias. É necessária a vacinação regular e o controle mensal da verminose.

O custo mais baixo, em torno de R$5 mil, pode ser um grande atrativo na aquisição desses exemplares, já que um percheron puro custa por volta de R$25 mil. Pedro Lopes, a longo prazo, pretende preparar esses cavalos para a polícia, visando à Copa do Mundo em 2014, e às Olimpíadas, em 2016. Ele garante haver um grupo de 60 éguas sendo cobertas com essa finalidade.

Autor: Breno Fonseca

Fonte: Dia de campo

Adaptação: Escola do Cavalo

Conheça o Curso de Manejo Reprodutivo em Equinos

 

Veja outras publicações da Escola do Cavalo:

Saiba sobre a Síndrome de Cushing, que provoca obesidade, perda de pelo e laminite em equinos.

Saiba porque os cavalos precisam ingerir sal

Saiba como a Linhaça pode combater à cólica e laminite nos cavalos

 


Veja Também

Comentários

Deixe seu comentário

Receba nossas novidades!

Digite seu e-mail:

Curta nossa página


Tire suas dúvidas Preencha os campos abaixo