30% de desconto em Cursos Online de Criação de Cavalos
Aumente seu conhecimento no mundo equestre


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Conheça um pouco mais sobre a influenza equina

Uma doença viral, a influenza equina é altamente contagiosa, sendo em muitos países, considerada a enfermidade respiratória mais importante da espécie. Afeta equídeos em qualquer idade, mais frequentemente entre 1 e 3 anos, e não escolhe raça ou sexo.

Os vírus dessa doença são da família dosortomixovírus. Existem a influenzado tipo A/Equi -1 e influenza A/Equi 2, classificadas de acordo com as características antigênicas das glicoproteínas de superfície, a hemaglutinina.

É grande sua capacidade de sofrer mutação antigênica, o que impede a proteção do organismo do animal contra uma próxima contaminação, tanto pela infecção anterior, quanto pela vacinação. Nesse caso, os anticorpos de reação cruzada são menos eficazes e duráveis do  que os anticorpos homólogos no vírus neutralizante. Isso favorece a contaminação dos animais soropositivos, continuamente.

Sua principal via de contaminação é a inalação, sendo extremamente contagiosa. O vírus infecta as células epiteliais, que envolvem as vias aéreas inferiores e superiores. A infecção do epitélio ciliar provoca perda dos cílios num período de 3-4 dias de infecção, o que compromete o mecanismo de depuração mucociliar. Isso predispõe as vias aéreas comprometidas à infecção bacteriana secundária.

Ocorre no mundo todo, exceto na Austrália e na Nova Zelândia, onde ainda não foram registrados casos de influenza equina. Trata-se de doença endêmica na América do Norte, Europa e América do Sul.

Tem início repentino com curto período de incubação de 1-3 dias. Os equinos permanecem infectantes por 3-6 dias após os últimos sinais da doença. A propagação é muito rápida, com 100% de morbidade em populações suscetíveis. A taxa de mortalidade geralmente é baixa em casos não complicados, exceto em potros. Potros que não possuem anticorpos maternos apresentam sinais clínicos muito graves de pneumonia viral, que podem levar à morte, em 48 horas. Sintomas mais comuns: tosse, secreção nasal, febre, depressão, letargia, inapetência, e edemaciamento dos membros inferiores.

A vacinação contra a influenza equina é capaz de reduzir a gravidade da doença e a propagação da infecção. As vacinas comercializadas atualmente são administradas por via intramuscular e contêm antígenos inativados de ambos os tipos de vírus da influenza. Após a infecção natural, a imunidade dura aproximadamente 12 meses.

 O prognóstico para recuperação e retomada da função atlética, em casos não complicados de influenza equina, é bom, desde que se administre tratamento apropriado e se permita repouso adequado. A pleuropneumonia e a pneumonia bacteriana secundária agravam o prognóstico para retomada da função atlética e prolongam bastante o período de recuperação.

  Fonte: Rural Pecuária Adaptação: Escola do Cavalo    

Conheça o Curso de Primeiros Socorros em Equinos

Veja outras publicações da Escola do Cavalo:

A doença DIVA
Aprenda os procedimentos necessários nas emergências com cavalos Doença pulmonar crônica em equinos  

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.