Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Tétano em equinos: Previna-se

O tétano é uma doença causada por toxinas produzidas pela bactéria Clostridium tetani, caracterizada por rigidez muscular (tetania), podendo levar à morte por parada respiratória ou convulsões.

O Clostridium tetani  é encontrado no ambiente (solo ou fezes) em todo o mundo. A infecção ocorre mais comumente por ferimentos, mas qualquer situação de anaerobiose contaminada pode levar ao desenvolvimento do tétano.

Quando a bactéria é inoculada em ambiente anaeróbico, os esporos germinam em sua forma vegetativa, que produz 3 exotoxinas, consideradas os principais componentes patogênicos. Tais toxinas são a tetanolisina, a tetanospasmina e a toxina não espasmogênica. A tetanolisina aumenta localmente a necrose dos tecidos, intensificando assim a esporulação e a propagação da infecção. A tetanospasmina é uma lipoproteína que se propaga por via hemática para o sistema nervoso central. A toxina não espasmogênica provavelmente causa estímulo excessivo do sistema nervoso simpático.

O maior sistema afetado pela bactéria é o neuromuscular, em caso de complicações mais graves a bactéria pode afetar o sistema respiratório em pneumonias aspirativas ou escaras de decúbito.

Os equinos tendem a ser mais sensíveis ao tétano, pois vivem em ambientes com alto grau de contaminação por fezes, o que pode aumentar a incidência dessa enfermidade.

Os principais sinais clínicos do tétano são: -Andar rígido. -Rigidez muscular generalizada, principalmente nos músculos de sustentação, o que leva a uma postura típica de "cavalete". -Trismo ("mandíbula travada"). -Prolapso de terceira pálpebra. -Hiperestesia (sinais de espasmos musculares podem ser exacerbados por ruído, luz ou estímulo táctil súbito). -Febre e sudorese intensa. -Disfagia, sialorréia e pneumonias aspirativas. -Hipóxia por comprometimento dos músculos respiratórios, podendo evoluir para paradas respiratórias.

A maior fonte de contagio do tétano são em ferimentos, ambientes altamente contaminados por fezes e animais não protegidos por vacinação.

Para prevenir o tétano devemos: -Vacinar através de 2 aplicações (dose e reforço) com 4 semanas de intervalo, seguida de vacinação anual de reforço. -Evitar ambientes com potencial de risco. -Limitar ao máximo a contaminação fecal. -Limpar ferimentos e administrar toxóide tetânico se o animal não tiver sido vacinado nos últimos 6 meses. -Em ferimentos infeccionados, realizar drenagem mantendo-os abertos.

Fonte: Agrolink

Adaptação: Escola do cavalo

 

Conheça o Curso de Primeiros Socorros em Equinos

   

Veja outras publicações da Escola do Cavalo:

Aprenda como corrigir os defeitos de aprumos em equinos Copa de Andamento da raça Mangalarga divulga o calendário de 2012 Conheça um pouco mais sobre a influenza equina

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.