30% de desconto em Cursos Online de Criação de Cavalos
Aumente seu conhecimento no mundo equestre


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Saiba mais sobre odontologia equina

O cavalo, nômade e herbívoro, por natureza, foi concebido com os dentes preparados para o pastoreio, isto é, para simplesmente mastigar o que o animal encontrava na natureza, os diversos tipos de forragens, o que causava um desgaste lento e homogêneo, em sua dentição.

Entretanto, com o seu confinamento e domesticação, pelo homem, o cavalo teve alterada sua dieta original e mudanças em seus padrões alimentares. A partir daí, consequentemente, teve também alterados seus dentes e a mordedura.

 Há exames periódicos, que devem ser contínuos, e se iniciam logo após o nascimento, onde são identificadas alterações congênitas. Aí, se verificam problemas no palato (céu da boca), deformidades como as maxilares e da mandíbula.

Recomenda-se que até os cinco anos de idade, os exames sejam semestrais, para os casos de dentes decíduos persistentes (dentes de leite que permanecem na arcada dentária), verificar se há fragmentos a ser extraídos, o que poderia causar contato inadequado entre os dentes superiores e inferiores, pela sua erupção desordenada.

São comuns pontas e deformações nas arcadas, em animais acima de cinco anos, proporcionando má oclusão dos dentes molares (posteriores) e incisivos (dentes anteriores), o que deve ser corrigido, como prevenção.

Na fase de doma, o exame dos dentes torna-se essencial.  Disso, vai depender o bom desempenho do cavalo, porque o tratamento vai trazer-lhe mais conforto, o que torna o trabalho do treinador e o aprendizado do cavalo mais fácil e menos estressante, proporcionando um melhor  resultado final.

Mesmo que não apresentem sintomas, o ideal é que todos os cavalos tenham seus dentes examinados, pelo menos, uma vez por ano.

A perda de peso, dificuldade para engordar, incômodo com a embocadura, puxão nas rédeas, o balanço da cabeça de um lado para outro, agressividade, lentidão ao mastigar, cólicas recorrentes e fibras longas de capim encontradas nas fezes são indicativos de problemas relacionados com os dentes, a serem investigados.

 O risco de cólicas é bastante reduzido quando os cavalos têm acompanhamento dos seus dentes, periodicamente, porque  possuem melhor mastigação e digestão, e apresentam uma considerável melhora no aproveitamento dos alimentos. As manobras e o andamento também são beneficiadas pelo conforto no manuseio das rédeas, além do benefício que os animais adquirem com maior longevidade e vida útil.

 

Por: Dr. Ciro Pinheiro Mathias Franco Médico Veterinário - atuante em odontologia equina. Cel. (11) 9814-6666

Fonte: Saúde Animal

Adaptação: Escola do Cavalo

   

Conheça o Curso de Odontologia Equina

    Veja outras publicações da Escola do Cavalo: Cumplicidade entre homem e o cavalo Mulher salva cavalo submerso em lama Equinos são Sacrificados no Piauí  

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.