Cruzamento natural em equinos

Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF

Na maioria dos criatórios de cavalos de todo o mundo, é utilizada a cobertura dirigida em que a égua fica contida por cabresto e peia auxiliar. O garanhão é conduzido com cabeçada, guia ou cabresto, pelo encarregado. Existem também dois outros tipos de cobertura: a campo e a piquete.

Cobertura a campo é praticamente restrita aos regimes de criação extensiva e de raças rústicas, sendo pouco utilizada hoje em dia. Ainda assim, continua apresentando os mais altos índices de fertilidade em animais acostumados a ela. A exemplo do que é feito na bovinocultura de corte, o garanhão é simplesmente introduzido na manada de éguas, no início da estação de monta, e é retirado ao cabo de alguns meses.

Em nosso sistema artificializado, de criação, muitos garanhões passam a apresentar instinto sexual para cada égua que veem, sem saber detectar os sinais de cio. Nesse sistema de cobertura, o garanhão tem que ser acostumado com éguas desde potro, sabendo identificar os estros naturais de cada fêmea.

 Cobertura a piquete pode ser utilizada quando, tanto o garanhão como a égua forem animais experientes e pouco agressivos, consistindo, simplesmente, em soltarem os animais dentro de um piquete pequeno, e separando-os depois que a cobertura tiver sido efetuada.

Fonte: Criareplantar

Adaptação: Escola do Cavalo

 

 

Conheça o Curso de Transferência de Embriões em Equinos

Veja outras publicações da Escola do Cavalo:

Intolerância ao glúten em cavalos

Dicas de economia nos cuidados com equinos

Saiba como se previnir da doença “Aborto Equino a Vírus”

 


Veja Também

Comentários

Deixe seu comentário

Receba nossas novidades!

Digite seu e-mail:

Curta nossa página


Tire suas dúvidas Preencha os campos abaixo