Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Por que é preciso manter uma boa nutrição para éguas reprodutoras?

De acordo com estudos recentes, uma das causas de infertilidade das éguas é a má nutrição. A gravidade maior é que esse problema tem sido ignorado. Análises feitas por especialistas apontam que a nutrição deficitária causa sérios transtornos como o cio não fértil e a nudação (fixação do embrião no útero), complicações durante a gestação e mesmo na viabilidade do feto, além de provocar abortos com complicações infecciosas, ou, simplesmente, o nascimento de prematuros, sujeitos à natimortalidade. O déficit energético pode acarretar a hipoglicemia que gera uma inatividade ovariana.

A alimentação correta da égua em reprodução, segundo os técnicos, pode evitar outros problemas como o retardo do ciclo normal, nos anos subsequentes, e o baixo número de potros nascidos no decorrer da vida reprodutiva da égua.

Conforme as necessidades do animal, deve-se fazer o ajuste dos aportes proteicos, minerais e vitamínicos, ao se detectar o erro no arraçoamento.

 Durante a primeira fase de gestação (1o a 8o mês), a égua deve manter seu peso ou engordar se estiver muito magra. Suas necessidades nutricionais são ligeiramente superiores às de manutenção, por causa do crescimento do feto.

Quando atinge a segunda fase da gestação (9o a 11o mês), ao contrário do que acontece no início, a alimentação fetal é prioritária em relação à mãe. É quando se define o seu "futuro potencial", ou seja, seu potencial de crescimento.

Deve-se evitar, durante este período, a perda excessiva de peso da égua, devido às elevadas necessidades energéticas dessa fase. O aumento deve girar em torno de 13% de seu peso durante a gestação (65 kg para uma égua de 500 kg), sendo 10% nesse período. Porém, deve-se ter cuidado com uma suplementação que cause problemas graves e importantes, evitando-se o excesso de gordura da mãe e do feto.

A garantia do nascimento de um potro saudável é o bom estado corporal da égua, no momento do parto, garantem os especialistas, e a qualidade da alimentação, mais do que a quantidade oferecida ao animal, é um dos pontos fundamentais para que isso ocorra.

O bom desenvolvimento do esqueleto do feto depende do fornecimento adequado de minerais, por todo o período, além do aporte mineral e vitamínico, através de uma complementação de concentrados. A capacidade de ingestão de volumoso da égua não supre as suas necessidades, nessa fase de vida reprodutiva.

Fonte: Revista Alimentação Animal Adaptação: Escola do Cavalo

Conheça o Curso de Manejo Reprodutivo em Equinos

  Veja outras publicações da Escola do Cavalo: Como cuidar de potros órfãos Equinos - Em busca da alimentação perfeita Cuidados com a superalimentação de potros

Nutrição

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.