30% de desconto em Cursos Online de Criação de Cavalos
Aumente seu conhecimento no mundo equestre


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Anestesia do esqueleto axial de equinos

O esqueleto axial dos equinos compreende o crânio, a coluna vertebral, costelas e esterno. A anestesia das partes destacadas ou qualquer outra região de um cavalo requer cuidados específicos, devido ao temperamento característico e o tamanho da espécie, podendo ocorrer problemas e complicações durante o procedimento.

A anestesia local é a mais usada, visto as peculiaridades anatômicas da espécie, facilitadoras de sua execução, como a superficialidade das inervações da cabeça e dos membros, por exemplo.

Tão importante quanto o procedimento anestésico é a sedação, em maior ou menor grau a depender do caso, o que nem sempre é suficientemente efetivo para a intervenção cirúrgica.

Sobre o esqueleto axial, o crânio e a coluna vertebral são altamente inervados e acessíveis, ideais para a aplicação de técnica de bloqueio anestésico regional.

Na região da cabeça, o bloqueio nervoso é realizado em diferentes nervos, cada um com sua finalidade, compreendendo: o nervo supra-orbitário, para intervenções a nível de pálpebra superior e adjacências; nervo infra-orbitário, para extrações dentárias dos incisivos superiores, excisões tumorais, manipulações de narinas; nervo mentoniano, para anestesia de lábios inferiores e mucosa gengival rostral com acesso pelo forame mentoniano; nervo mandibular, para insensibilização da mandíbula e todas as suas estruturas dentárias; nervo maxilar, para anestesia das estruturas dentárias do maxilar e pré-maxilar, seios paranasais e cavidade nasal; nervos óptico, abducente, oculomotor, troclear e oftálmico, com acesso pelo canto medial do olho tangencialmente ao globo ocular, em casos de enucleação.

Em relação a coluna vertebral, a anestesia local peridural é requerida em casos de prolapsos retais, fístulas retrovaginais ou qualquer intervenção cirúrgica na qual seja necessária a insensibilização de regiões retais ou reto-vaginais. A administração de anestésicos locais no espaço epidural pode ser feita em associação a opióides ou agonistas alfa-2-adrenérgicos, e sem a penetração da dura-máter.

Fonte: UFBA

Adaptação: Escola do Cavalo

Conheça o Curso de Anestesia em Equinos a Campo

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.