Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Práticas inadequadas de ferrageamento podem causar problemas nos equinos

Ferrageamento significa ferragear ou ferrar o cavalo, consiste em pregar as ferraduras com o uso de cravos específicos. É bem antiga a prática de ferrar os equinos. O ferrageamento também como em todas as áreas profissionais, já teve suas épocas de empirismo onde ferrar um cavalo era visto como um fator de pouca importância e não se dava o devido valor à técnica do serviço empregado ali, muito menos ao bem estar do animal que seria ferrado. O ferrageamento era tido como simplesmente pregar a ferradura e nem se cogitava questões como, aprumo, angulação do casco, tipo específico da ferradura e do cravo, a quantidade de casco a ser retirada. Com o passar dos anos a prática se modernizou, assim como muitos profissionais, dentre eles o médico veterinário Ibsen Votto. O aprimoramento dos profissionais é favorável aos equinos, pois a ferradura tem como objetivo protegê-los, o que exige cuidado durante a aplicação. Do contrário, a prática inadequada pode acabar machucando o equino. Votto destaca que "se prepara a ferradura para o casco e não o contrário". De acordo com o especialista, o mau ferrageamento pode causar lesões ao cavalo, muitas vezes um cavalo mal ferrado não consegue atingir seu máximo de desempenho devido a uma dor ou um simples desconforto. A necessidade de ferrar um cavalo, na maioria dos casos, surge no momento em que se coloca o animal na cocheira ou quando se inicia a doma, conforme explica Ibsen Votto. O cuidado com o casco é imprescindível, pois esta é a "base" de um cavalo e fica em contato direto com o solo, sofrendo, portanto, as consequências destes impactos. Para conservar o bom estado do casco é recomendado práticas como mantê-lo bem casqueado, limpar a sola diariamente, passar fortificante no local são indicadas para conservar o bom estado do casco. Existem vários tipos de ferraduras e de vários materiais que são escolhidos após a avaliação do casco e das condições em que o cavalo se encontra, além do tipo de exercício a que está submetido. Existe diferentes tipo de ferrageamento: o de proteção simples é indicado para a proteção básica do casco; o terapêutico para quando há lesão no casco do animal é utilizada para auxiliar no tratamento da lesão e o ortopédico que serve para melhorar o desempenho e o conforto do animal. Alguns cuidados devem ser considerados na hora de se fazer o ferrageamento. "O tamanho do casco deve ser respeitado", aponta Votto. É preciso observar a quantidade de material a ser retirada do casco. Deve ser removido apenas o necessário. "Se bem ferrado, o cavalo pode passar a vida inteira assim, desde que haja renovação da ferradura em período de 30 e 45 dias", aponta o veterinário. Se o animal ultrapassar este período sem fazer a troca, o casco deve crescer de modo a perder o nivelamento e trazendo problemas nas linhas naturais de aprumo do animal. O especialista Ibsen Votto apresenta as seguintes dicas para um bom ferrageamento:

  • Retirada da ferradura velha, limpeza da sola com uma escova de aço.
  • Avaliação das condições do casco, de qual tipo de casqueamento e também qual ferradura será utilizada.
  • Retirar o excesso de material da ranilha, respeitando sempre sua anatomia e evitando a retirada de muito material.
  • Iniciar a retirada do excesso de sola;  deve-se manter cuidado para não retirar além do necessário para evitar lesão e sensibilidade de sola.
  • Realizado o corte da parede do casco, este corte deve ser o mais parelho possível, respeitando o limite para evitar lesão.
  • Com uma grossa específica para casco é feito o arremate do corte da parede deixando a sola parelha. Sendo assim, quando o membro estiver apoiado no chão toda a parede tem contato com o solo.
  • Quando necessário, o material em excesso da muralha do casco é retirado.
  • Feito segunda avaliação, neste momento o animal já está com as quatro patas casqueadas esperando as ferraduras.
  • Molda-se uma ferradura conforme o casco do casco (nunca se molda o casco para ferradura). Este molde pode ser a quente ou a frio.
  • Após pronta a ferradura é realizada a fixação na parede do casco, através de cravos (pregos especiais para ferrageamento). Devem ser colocados seis cravos por casco, podendo ser no máximo oito.
  • Terminado o cravejamento, é feito o corte das pontas dos cravos e acabamento da parede do casco com uma grossa fina. Em seguida, o animal está pronto.
Fonte: Mercado de Cavalos
Adaptação: Escola do Cavalo

 

 

 

       

Conheça o Curso de Diagnóstico de Claudicação em Equinos

      Veja outras publicações da Escola do Cavalo: A importância do alongamento em Equinos » Casqueamento em Equinos. Por que fazer? » Deformidade do tendão flexor profundo é uma das causas de claudicação em cavalos    

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.