Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Frequência de desgastes dentários em muares

 Na rotina de trabalho rural os muares sempre foram utilizados, sendo preferidos em atividades particulares pela resistência e rusticidade, frutos do hibridismo.

As atividades equestres e de lazeres ultimamente também tem utilizados muito muares. Prevalentemente os recursos clínicos para muares são extrapoladas de estudos em equinos. As alterações dentárias integram os principais fatores relacionados a prejuízos na equideocultura, juntamente com as afecções abdominais.

Um estudo realizado por Araújo et.al com 60 muares (27M e 33F) com  idade entre 05 a 20 anos (média = 9 anos) com o objetivo de relatar as frequências de alterações do desgaste dentário estudadas em uma população de muares . Após contenção em brete e lavagem da boca, utilizaram-se abre-boca Haussman e fotóforo para exame visual e manual das arcadas maxilares e mandibulares. As alterações dentárias diagnosticadas foram documentadas em prontuários individuais e por fotografias digitais arquivadas em computador.

O resultado demonstrou que a natureza e frequência das alterações diagnosticadas foram pontas excessivas de esmalte dentário (PEED) em 60 animais (100%); ganchos em dentes segundo pré-molares e terceiros molares em 43 (71,7%); ondas em 14 (23,3%) e degraus em 8 (13,3%).

O potencial de interferência negativa na mastigação permite reconhecer as alterações dos desgastes dentários em equinos, pois em sua maioria constitui obstáculos às excursões mandibulares. Entretanto, durante o período em que este estudo foi conduzido não foi possível estabelecer relação dos achados de alterações de desgaste dentário com possíveis consequências na condição física, desempenho de atividades e incidência de cólicas. Discutiu-se a hipótese que em muares as alterações do desgaste dentário podem não resultar em consequências de mesma magnitude que em outros equídeos, mas devem sempre ser controladas a fim de garantir a fisiologia da mastigação.

A conclusão dos autores aponta que alterações do desgaste dentário são frequentes em muares. Estudos odontológicos em muares são necessários a fim de verificar semelhanças e possíveis diferenças de resultados obtidos em equinos.

Fonte: Jumento e Muar

Autor:  ARAÚJO, Thiago Barbosa de Souza et.al

 Adaptação: Escola do Cavalo

Conheça o Curso de Odontologia Equina

Veja outras publicações da Escola do Cavalo: Dicas de economia nos cuidados com equinos Saiba como se previnir da doença "Aborto Equino a Vírus" Saiba mais sobre alergia em equinos  

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)
Veja também

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.