Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Gene truncado é responsável pela marcha dos cavalos

Os equinos trotam e marcham, essa capacidade de marchar é hereditária, muitas raças foram selecionadas com base nessa característica. Foi descoberto atualmente que, a capacidade de aprender a marchar depende da presença de mutação em um gene.

O caminhar é controlado por neurônios localizados na medula espinhal, os equinos alternam o lado da perna que coloca na frente. Deste modo, quando a perna esquerda dianteira está na frente, é a perna direita traseira que está na frente. No próximo passo isso se inverte e assim por diante. Alguns cavalos são capazes de marchar e, nesse caso, o sincronismo das pernas é diferente.

Estudos feitos com cavalos islâmicos mostram que, em um dos tipos de marcha, ele é capaz de colocar na frente tanto a perna esquerda dianteira quanto a perna esquerda traseira. No próximo passo, ambas as pernas direitas são levadas para frente ao mesmo tempo. As pernas dianteiras e traseiras desse tipo de marcha trabalham em sincronismo.

Geneticistas estudiosos compararam inicialmente raças de cavalos islâmicos identificando o local do genoma responsável pela capacidade de marchar. A sequência do genoma foi comparada e foi descoberto a capacidade desse, em regular o funcionamento de outros genes, alterado nos cavalos capazes de marchar. Enquanto nos equinos comuns o gene produz uma proteína grande, nos cavalos marchadores o gene produz uma proteína menor, truncada.

Então foi examinado se essa alteração encontrava-se presente em todos os cavalos capazes de marchar e ausente nos incapazes. Dos 1.160 cavalos de 21 raças, de diversos lugares, examinados todos que marcham possuem gene truncado e raças que trotam possuem a versão do gene que produz a maior proteína.

A maior flexibilidade dos cavalos marchadores porém tem um custo, o galope é mais lento e menos coordenado, tem maior dificuldade de fazer a transição do trote para o galope.

Fonte: Estadão Adaptação: Escola do Cavalo      

Conheça o Curso de Diagnóstico de Claudicação em Equinos

        Veja outras publicações da Escola do Cavalo: Odontologia em equinos, uma área que necessita cada vez mais de profissionais A marcha do cavalo é definida pelo código genético de cada raça Bem-estar equino      

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)
Veja também

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.