Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Influenza Equina

Doença causada por vírus, à influenza equina, é contagiosa contraída por inalação e considerada a doença respiratória mais importante da espécie. Geralmente acomete animais de 1 a 3 anos de idade.Trata-se de doença endêmica na América do Norte, Europa e América do Sul.

O vírus pertence à família dos ortomixovírusexistindo dois subtipos, influenza A/Equi-1 e influenza A/Equi-2, classificados de acordo com as características antigênicas das glicoproteínas de superfície, a hemaglutinina (HA) e a neuraminidase (NA). Os vírus A/Equi-1 possuem uma H7HA e uma N7NA e os vírus A/Equi-2, uma H3HA e uma N8NA.

Os vírus da influenza sofrem mutação antigênica, o A/Equi-1 sofre menos mutações, de forma que são mais antigenicamente estáveis e menos patogênicos do que o A/Equi-2 que sofrem intensa mutação antigênica.

Depois do contágio, o vírus infecta as células epiteliais que envolvem as vias aéreas inferiores e superiores provocando a perda dos cílios. O período de incubação é de 1-3 dias, a propagação é rápida, com 100% de morbidade em populações suscetíveis. A taxa de mortalidade é baixa em casos não complicados, exceto em potros.

Os sintomas da doença são: tosse;secreção nasal; febre; depressão; letargia; inapetência; rigidez e edemaciamento de membros inferiores. Detectados os sintomas devem ser feitos exames laboratoriais a fim de isolar o vírus, detectando a doença.

O tratamento da doença é feito com o isolamento dos animais doentes reduzindo o nível de vírus aos outros animais. Os animais infectados não devem ser submetidos a estresse indevido e desnecessário; devem permanecer em repouso total pois, reduz a gravidade dos sinais clínicos, minimiza a excreção viral e encurta o período de recuperação. Oferecer alimento e água de qualidade. Medicamentos também são utilizados no tratamento como drogas antiinflamatórias não esteróides (AINEs) para diminuir a febre, eliminar a mialgia e melhorar o apetite. Todo a tratamento da doença deve ser acompanhado por médico veterinário responsável.

Existem vacinas para a doença, mas elas não evitam o contagio, apenas amenizam e dificultam uma possível contaminação.

Fonte: Agrolink

Adaptação: Escola do Cavalo

 

Conheça o Curso de Primeiros Socorros em Equinos

Primeiros-Socorros-Equinos

 

 

Veja outras publicações da Escola do Cavalo: Saiba mais sobre a Ovulação de Éguas Você sabe o que é Trypanosoma Evansi em equino Claudicação equina: o que fazer para evitar?    

estojo-para-instrumental-perfurado-em-inox-18-x-08-x-03-cmEstojo para Instrumental Perfurado em Inox 18 x 08 x 03 cm

Por: R$ 34,50

BANNER SHOPVETERINARIO

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.