Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Laminite equina

adenite equinaA laminite é também conhecida como aguamento. É um processo inflamatório agudo ou crônico que ocorre nas estruturas sensíveis do casco, resultando em claudicação e deformidades permanentes.

A moléstia se relaciona com a grande ingestão de grãos, apesar de também se relacionar a fatores genéticos, idade, falta de exercícios, umidade ou quadros de toxemia. Estes fatores podem variar em complexidade e grau de severidade de acordo com o manejo aos quais os animais são submetidos.

O mecanismo que desencadeia a laminite não é ao certo conhecido. Há hipóteses de que resulte de um excesso de histamina, que causa ingurgitamento do leito vascular do casco. Mas, alguns estudos evidenciaram que o suprimento sanguíneo arterial da lâmina de casco é extremamente reduzido ao invés de ser elevado.

O animal que ingere grãos em excesso, há o aumento da produção de ácidos láctico no trato digestivo, com isso há destruição de bactérias e consequentemente liberação das toxinas. A acidose ruminal resulta em lesão da mucosa do rúmen, com aumento de sua permeabilidade, causando uma endotoxemia e acidose sistêmica, que leva à vascularização periférica, e há diminuição do fluxo sanguíneo nas lâminas do casco.

As causas secundárias para surgimento da moléstia são: ingestão de água fria após realização de exercícios; infecções sistêmicas como endometrite, salmonelose e colite; traumas ou exercícios físicos em excesso em animais não condicionados; e doenças seguidas por quadro endotoxêmicos.

O animal acometido pela laminite aguda apresenta dor, ansiedade acompanhada de tremores musculares, sudorese e aumento da frequência cardíaca e respiratória; os cascos ficam quentes e inflamados e o animal fica muito tempo deitado. Nos casos crônicos os cascos crescem em comprimento, perdendo a elasticidade e densidade normais na sola, e assim ficam mais quebradiços.

O diagnóstico é dado com base no quadro apresentado e na avaliação da dieta alimentar dos cavalos. O animal deve ser tratado com alimentos que não vão ocasionar piora do quadro, analgésicos e anti-inflamatórios. Todo o tratamento deve ser indicado e acompanhando pelo médico veterinário.

  Fonte: www.infoescola.com   Saiba como realizar um exame odontológico e sua importância para a saúde do animal. Identifique as dores e as alterações na mastigação de seu cavalo.  

Clínica e Saúde

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.