Aumente seu conhecimento no mundo equestre

Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Veja os detalhes sobre a encefalomielite equina

A encefalomielite equina é uma doença zoonótica viral que acomete os cavalos acidentalmente, pois sua fonte de infecção é aves silvestres. A enfermidade é grave e pode ser dividida em três grupos: a leste (EEE), oeste (WEE) e a venezuelana (VEE), sendo rara no Brasil, relatada apenas em casos isolados.

A enfermidade tem os mosquitos Aedes spp. e o Culex spp. como os transmissores e se manifesta em surtos epidêmicos, geralmente em temperatura e umidade alta. Ela tem sua porta de entrada pela pele do animal, quando picado pelo vetor contaminado.

Não há uma faixa etária ou raça mais predisposta a contrair a doença, a encefalomielite equina pode atingir desde potros novos aos equinos que são mais adultos.

O período de incubação da doença é de dois a sete dias. Quando não é tratada rapidamente, pode levar o animal ao óbito. O tipo EEE da doença costuma ser fatal, enquanto que as demais formas, se controladas com tratamento, têm uma baixa taxa de letalidade.

Sinais Clínicos

O alphavírus (RNA da família togaviridae) tem tropismo por células nervosas, que provoca ações inflamatórias típicas. Os sinais da encefalomielite equina visíveis são os neurológicos. Alguns sinais são:

-Perda de equilíbrio

-Andar cambaleante

-Cabeça voltada para o solo

-Cegueira

-Patas abertas

-Sonolência

Diagnóstico

O diagnóstico laboral clássico pode ser realizado à partir de amostras de sangue e líquido cefalorraquidiano por meio de técnicas como o isolamento viral. Outra forma de identificação é feita por meio de teste de neutralização por redução de placas, fixação de complemento e imunofluorescência direta ou indireta.

As técnicas moleculares (RT-PCR e sequenciamento) também têm sido utilizadas no diagnóstico das encefalites. Elas permitem a comparação dos diferentes isolados e estudos filogenéticos.

Para um diagnóstico preciso, deve levar em conta outras doenças com os sinais parecidos, como a raiva, botulismo, leucoencefalomalácia, intoxicação por plantas tóxicas e as demais encefalites virais.

Tratamento da encefalomielite equina

Não há um tratamento específico para a enfermidade, apenas é possível o administrar os seus sinais. O controle da encefalomielite equina deve ser feita através do isolamento do animal infectado e vacinações, que se iniciam aos dois meses de idade do animal.

É indispensável antes de reintroduzir o animal no rebanho, deixá-lo em quarentena para observação de possíveis sinais.

Prevenção

As vacinas disponíveis no mercado brasileiro são inativadas e bivalentes. Elas imunizam contra a Encefalite Equina do Leste e do Oeste. É necessário fazer duas vacinações e em seguidas reforçá-las anualmente.

Controlar os vetores com medidas, como a eliminação de águas paradas e criadouros de mosquitos reduz os riscos de exposição à doença e a possível infecção do equino.

Para você, que quer saber mais dicas sobre como agir no primeiro atendimento de encefalomielite equina e em outras situações emergenciais com cavalos, clique no link abaixo:

 Primeiros Socorros em Equinos

Fonte: Informativo equestre

Clínica e Saúde

Cursos

Destaque

Notícias

Parceiros

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.