Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Cara inchada em equinos: O que você sabe sobre essa doença?

cara inchada em equinosCara inchada em equinos é cientificamente conhecida como Hiperparatireoidismo Nutricional Secundário ou Osteodistrofia Fibrosa. O distúrbio está diretamente relacionado ao manejo nutricional dos animais.

Quando feito de forma errada pode levar ao aumento da liberação do hormônio PTH ( paratormônio). Esse, atua diretamente na retirada de cálcio dos ossos e liberação para corrente sanguínea.

A afecção metabólica está diretamente relacionada ao sistema locomotor, constitui-se como um problema de repercussão óssea, pois ocorre a diminuição da densidade mineral devido a uma exacerbada reabsorção óssea, causada pela deficiência de cálcio (Ca). Pode ser resultante de uma deficiência primária ou secundária, levando à substituição do tecido fibroso e à formação de cistos.

Já deu para perceber que a cara inchada em equinos pode causar sérios prejuízos ao rebanho né?  Mas fique tranquilo, acompanhe esse artigo até o final e receba conteúdo que vai te deixar ainda mais bem informado sobre o assunto.

Quais as causas da cara inchada em equinos?

Já sabemos que a enfermidade tem ligação direta com a nutrição, é causada pelo desequilíbrio mineral envolvendo cálcio e o fósforo, o que leva a hipertrofia do osso nasal. Aliás, não é novidade que a alimentação tem papel fundamental no bom desenvolvimento dos animais. Com os equinos não é diferente. Para ficar mais fácil listamos as quatro causas principais da cara inchada, confira:

1 - Ausência de cálcio na alimentação - Com essa deficiência ocorre menor absorção para a corrente sanguínea, provocando em diminuição nos níveis de cálcio e prejudicando a relação Ca:/ P.

2 - Excesso de fósforo na alimentação - Causa, igualmente, o mesmo desequilíbrio, mesmo que os níveis de cálcio estejam normais. Deve-se evitar oferecer aos animais o milho, farelo de trigo e certas gramíneas como napier, por serem fontes de fósforo.

3 - Ingestão de oxalato - Essa substância está presente em algumas forrageiras, e, se unida ao cálcio, formam um quelato, impedindo-o de exercer suas funções vitais. Alguns tipos de brachiária, a sectária e o quicuio são pastagens ricas em oxalato, e devem ser evitadas para não provocar o excesso desse elemento no organismo dos equinos.

4 - Deficiência de vitamina D - Esse é outro fator de desequilíbrio na relação Ca:/ P. Essa vitamina é indispensável na absorção do cálcio pelo organismo. Essa deficiência é rara, pois ocorre em animais que não tomam sol, uma das maiores fontes de vitamina .

Sinais da enfermidade

É comum que os animais jovem apresentem sintomas mais evidentes do que comparados aos equinos adultos. A principal característica é que em função da perda da matriz óssea, os ossos apresentam um aspecto “mole”. E mais, tumefeitos e deformados trazem uma aparência de cara inchada nos equinos. Devido a essa deformação os animais podem apresentar:

  • Obstrução da passagem nasal
  • Ruído em uma das vias superiores
  • Queda dos dentes
  • Perda de peso
  • Mastigação anormal
  • Queda no consumo alimentar

E não para por aí, cara inchada em equinos tem consequências tão sérias que por conta das fortes dores, o animal pode ter:

  • Queda no desempenho do trabalho
  • Claudição alternantes e insidiosa
  • Exostose em pontos de periostite
  • Deformação da coluna
  • Fratura e encurvamento dos membros devido à desmineralização óssea

Quando se trata de éguas gestantes afetadas por este problema, elas costumam ficar em decúbito permanente. Mais severos ainda são os casos envolvendo éguas lactantes e potros em desmame , pois estes têm uma grande demanda de Ca. 

Como é realizado o diagnóstico?

O principal sinal de alerta é sem dúvida o aumento de volume na cara dos equinos, a partir daí devem ser realizados diferentes exames de sangue. Assim, serão observados os níveis de fosfatase alcalina e a concentração plasmática de paratormônio (PTH). Outro exame realizado é o de raio-X  em equinos, ele indicará se existe uma deficiência de Ca ou de outra causa de osteodistrofia fibrosa, mas para isso, a densidade óssea deve reduzir-se em 30% antes de ficar radiograficamente evidente.

Tratamento da cara inchada em equinos

O objetivo inicial do tratamento é regularizar o metabolismo mineral, com foco principal no equilíbrio Ca: P. Alimentos ricos em P (principalmente milho e farelo de trigo) devem ser suspensos, o animal deve ser alimentado com pastagens de qualidade. Outra dica importante é manter os animais afetados em confinamento durante os primeiro meses da doença. Pelo menos até que as densidades radiográficas das regiões afetadas retornem ao normal.
É recomendado dar preferência aos alimentos pobres em oxalato, principalmente quando esta for a causa da desmineralização óssea. Quando não for possível, os níveis de Ca e P devem ser aumentados acima das exigências normais.

Em situações de emergência é  fundamental que você esteja preparado para fornecer o atendimento adequado ao rebanho. No curso de primeiros socorros em equinos do CPT Cursos Presenciais, você aprenderá na prática a avaliar e agir em todas as emergências relacionadas aos equinos. Afinal de contas, o mercado demanda cada vez mais por profissionais capacitados e que conheçam a fundo sobre a equinocultura. Corre para verificar a agenda com as datas, pois as turmas são reduzidas!  

 

 

Fonte: Revista Veterinária e Realh  

 

Áreas

Artigos

Clínica e Saúde

Curiosidades

Cursos

Destaque

Nutrição

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.