Aumente seu conhecimento no mundo equestre
Junte-se a milhares de apaixonados por cavalos. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.


Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Placentite em éguas: Saiba como evitar esse problema

Placentite em éguasA placentite em éguas,  trata-se de uma inflamação da placenta, órgão responsável pela “troca” metabólica realizadas entre mãe e feto, dentre outras funções. Essa enfermidade está relacionada a cerca de 25% das perdas em gestação. Como, por exemplo, casos de abortos, natimortos ou partos prematuros.

A prenhez das éguas geralmente é motivo de alegria e satisfação para produtores dentro de um haras. Mas, também, de preocupação por conta das possíveis afecções ocorridas neste período. Os abortos ou nascimentos prematuros ocasionados em éguas são muito comuns e prejudicam um manejo eficiente nos equinos.

É importante destacar que a placenta tem como objetivo promover o equilíbrio metabólico e o fornecimento de nutrientes. Continue lendo o artigo até o final e saiba mais sobre esse tema tão importante! 

Causas da placentite em éguas 

Presente em aproximadamente 30% das perdas gestacionais, a placentite em éguas pode ter causas variadas, como:

  • Infecções causadas por traumas na região;

  • Irritações; 

  • Problemas crônicos em outros órgãos próximos;

  • Infecções causadas por bactérias ou outros microrganismos.

Essa enfermidade promove uma série de reações, comprometendo o feto, geralmente por asfixia e infecções.

Outros exemplos de fatores que podem causar o aborto

Os abortos em éguas além de estarem ligados a enfermidades, também podem ser o resultado de inúmeros fatores, como:

  • Como gestação gemelar (uma das causas mais comuns);

  • Anomalias no cordão umbilical;

  • Conformação anormal do potro; 

  • Má-conformação vulvar; 

  • Distúrbios hormonais; 

  • Alterações circulatórias graves;

  • Predisposição hereditária; 

  • Desequilíbrios metabólicos; 

  • Problemas nutricionais; 

  • Enfermidades que produzem toxemias;

  • Problemas ambientais; 

  • Alimentos tóxicos ou estragados; 

  • Drogas anti-inflamatórias corticosteroides;

  • Medicamentos que contraem a musculatura lisa;

  • Antiprostaglandínicos ministrados no terço final da gestação;

  • Vermífugos ministrados em animais fracos no terço inicial e final da gestação.

Alguns sinais da enfermidade

Os sinais mais comuns apresentados pelas éguas portadoras desta afecção são:  

  • Desenvolvimento prematuro do úbere; 

  • Relaxamento cervical; 

  • Corrimento vaginal;

  • Mamas acentuadas;

  • Lactação precoce, 

Sendo que é possível que nenhum sinal seja evidente apresentado, o que dificulta qualquer tratamento em tempo hábil. O que demanda conhecimento e prática para identificar e tratar o problema. 

Como diagnosticar e evitar esse problema?

Os sinais clínicos muitas vezes não são visíveis. Por isso, é muito importante que todos os animais em período gestacional sejam submetidos a exames periódicos de diagnóstico por imagem com o auxílio do ultrassom veterinário, além de exames clínicos de rotina 

A ultrassonografia transabdominal ou transretal é essencial para detectar possíveis anormalidades no feto, inflamações ou o comprometimento das funções placentárias e as condições de saúde da mãe. É importante lembrar que muitas dessas alterações são sutis e de difícil visualização.

Com o aparelho de ultrassonografia, o profissional poderá verificar com exatidão a situação do feto e das condições de gestação da égua bem como a idade gestacional. Dessa forma, será  possível descobrir precocemente o problema, e, assim, medicar o animal a tempo, evitando perdas no rebanho 

Tratamento

O tratamento é dirigido a vários fatores, incluindo o combate à infecção, a redução da inflamação e o controle da atividade miometrial. Éguas com alterações no exame ultrassonográfico ou que apresentem sinais clínicos compatíveis com placentite. Ao identificar essas características, deve-se iniciar o tratamento o quanto antes com antibióticos de amplo espectro, anti-inflamatórios e tocolíticos. 

A ultrassonografia, juntamente com a palpação transretal são técnicas cada vez mais utilizadas no mercado. Elas tem o intuito de diagnosticar as patologias reprodutivas e acompanhar o desenvolvimento da gestação equina. 

Portanto, é crucial, que o profissional responsável por tais exames tenha amplos conhecimentos sobre a anatomia do útero e região. Além de operacionalização dos exames por imagem com segurança.

Você, médico veterinário não perca tempo e amplie seu conhecimento sobre o assunto. Confira uma dica ideal de como realizar diagnósticos rápidos e precisos de forma segura e eficiente e garantir o seu sucesso. Clique aqui e confira.

Fonte: Portal agropecuário

 

 

Áreas

Clínica e Saúde

Destaque

Reprodução

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo equestre gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Escola do Cavalo. Todos os Direitos Reservados.